Empresas indianas juntam-se para compra de participação em bloco de gás natural em Moçambique

14 March 2013

O grupo estatal indiano Oil and Natural Gas Corp (ONGC) e a empresa Oil India (OIL) decidiram apresentar uma proposta conjunta para adquirir uma participação de até 20% de um bloco petrolífero na bacia do Rovuma, em Moçambique, informou a agência noticiosa Press Trust of India (PTI).

A agência informou ainda que ao mesmo tempo que a ONGC Videsh (OVL), a empresa do grupo para os negócios internacionais e a OIL se juntaram no sentido de apresentar uma proposta conjunta ao grupo norte-americano Anadarko Petroleum, a estatal indiana de fornecimento de gás GAIL India declinou participar por entender que o preço de cerca de 4 mil milhões de dólares é demasiado elevado.

O grupo indiano Videocon Industries pretende desfazer-se da participação de 10% que detém no mesmo bloco da bacia do Rovuma, operado pelo grupo Anadarko Petroleum com uma participação de 36,5%, mas os dois negócios irão ser efectuados em separado.

Os restantes participantes no bloco Área 1 são a Mitsui Corp do Japão com 20%, o grupo indiano Bharat Petroleum Corp Ltd (BPCL) com 10%, o grupo estatal PTT Exploration and Production da Tailândia com 8,5% e a estatal moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos com 15%.

Enquanto o grupo Videocon Industries pretende vender a totalidade da sua participação, a fim de reduzir o passivo que ascende a vários milhares de milhões de dólares, o grupo norte-americano quer desfazer-se de apenas 10% a fim de obter capital necessário para a fase de exploração do gás natural já encontrado no bloco.

De acordo com informações do próprio grupo, a fábrica de liquefacção de gás natural a ser construída na província de Cabo Delgado, norte de Moçambique, deverá entrar em funcionamento em 2018 com uma capacidade instalada de 20 milhões de toneladas de gás natural liquefeito por ano e exigir um investimento estimado em 20 mil milhões de dólares. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH