Angola sétimo destino do investimento estrangeiro em África

28 May 2013

Angola foi o sétimo destino do investimento directo estrangeiro (IDE) em África e o terceiro destino na região a sul do Saara, de acordo com um relatório da empresa de consultoria Ernst & Young, que analisou os fluxos de capital dirigidos para o continente desde 2003.

Citado pelo jornal angolano O País, o documento revela que Angola chamou a si 5,2% do IDE que rumou a África, sendo que sete países – África do Sul, o principal receptor de IDE a sul do Saara, Egipto, Marrocos, Nigéria, Tunísia e Argélia, além de Angola – concentraram 60% do IDE no continente.

Limitando a análise a 2011 e 2012 verifica-se que Angola se localiza na nona posição, apenas à frente de Moçambique e sendo ultrapassado pelo Quénia e pelo Gana, entre os dez países que mais absorveram capitais provenientes do exterior.

De acordo com o estudo, tal poderá ficar a dever-se à estabilização do afluxo de capitais a Angola após uma entrada maciça de investimento externo em resultado da obtenção da paz em 2002 e ao critério utilizado para medir o IDE, que exclui fusões e aquisições e parcerias.

O investimento directo estrangeiro inverteu, em 2012, a tendência de crescimento verificada no ano anterior, o que significa, de acordo com os autores do relatório, que se mantém a percepção, por parte dos investidores, dos constrangimentos que se colocam ao investimento em África.

No período analisado foram os Estados Unidos a encimar a lista dos principais 20 países de origem dos fluxos de IDE destinados a novos projectos no continente, seguindo-se o Reino Unido, França, Índia, África do Sul, Emirados Árabes Unidos, Espanha, Alemanha, China e Portugal. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH