Portugal e Brasil perdem peso nas importações de Angola

28 August 2013

Países como a Tailândia, Bélgica, China, África do Sul e Estados Unidos estão a ganhar espaço nas importações angolanas em detrimento de países como Portugal e Brasil, refere o relatório da empresa de transporte marítimo Maersk Line relativo ao primeiro semestre.

O relatório afirma que para sustentar o crescimento verificado em Angola na última década, com o consequente aumento das importações, os consumidores angolanos apoiaram-se nos produtos portugueses e brasileiros para suprir muitas das suas necessidades.

Mas se há alguns anos era normal que os produtos destes dois países apresentassem crescimentos anuais que chegavam a 40%, actualmente esse crescimento apresenta valores entre 4% e 10%, com outros países a apresentarem taxas de crescimento muito mais elevadas.

A China domina as estatísticas, mas países como a Tailândia, Bélgica, África do Sul e Estados Unidos estão a ver as suas exportações para Angola crescer de forma significativa, com a China, Bélgica e Tailândia a apresentarem taxas de crescimento superiores a 40% em termos anuais.

Cláudio Marcos Rosa, director-geral da Maersk Line, salientou que os crescimentos verificados têm a ver com o aumento de base de consumidores de Angola, sendo que da China chegam electrodomésticos e materiais de construção e electrónicos, dos Estados Unidos carne e frango, da Bélgica farinha e ovos e da Tailândia muito arroz.

No relatório afirma-se igualmente que o modelo de transporte está a sofrer alterações, com uma menor utilização da carga a granel em benefício da carga em contentores refrigerados, sendo este último o modelo utilizado para 25% dos contentores que chegam a Angola nos navios da empresa.

A Maersk Line, empresa fundada em 1904, sendo hoje a maior companhia de transportes do mundo com uma frota de 550 navios, transporta carga para Angola há 15 anos. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH