Empresas antecipam afirmação do “corredor de integração” entre a China e os países de língua portuguesa

4 November 2013

A afirmação da China como a primeira potência mundial é cada vez mais uma realidade bem como a da parceria entre a China e os países de língua portuguesa, que está a ser antecipado pelas empresas, afirmaram investigadores brasileiros e portugueses.

Na quinta edição do seminário “O papel de Macau no intercâmbio sino-luso-brasileiro,” que teve lugar na semana passada no Centro Científico e Cultural de Macau em Lisboa, o investigador Bernardo Costa Ferreira, do Brasil, defendeu que o reposicionamento de Portugal, do Brasil e de Macau pode passar por vários tipos de integração e a influência do mundo de língua portuguesa na África Austral pode ter um efeito estabilizador para a região.

O seminário, presidido por Jorge Rangel, já teve sessões em Brasília e no Rio de Janeiro, e segue ainda para Aveiro, Macau e Pequim, estando prevista a sua expansão para a África de língua portuguesa e mesmo para Timor-Leste.

O evento do Centro Científico e Cultural de Macau em Lisboa decorreu em vésperas da 4ª Conferência Ministerial do Fórum Macau, a decorrer hoje e quarta-feira em Macau com a presença dos vice-primeiros-ministros da China e de Portugal bem como do vice-presidente do Brasil.

Durante a Conferência, que marca o 10º aniversário do Fórum, será assinado o novo Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, que deverá beneficiar da criação de um fundo de mil milhões de dólares para apoiar projetos multilaterais. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH