Companhias aéreas de Moçambique e de São Tomé e Príncipe continuam na “lista negra” da União Europeia

5 December 2013

As companhias aéreas de Moçambique e de São Tomé e Príncipe continuam proibidas de voar para a União Europeia, anunciou quinta-feira em Bruxelas a Comissão Europeia.

As companhias aéreas de Angola mantêm-se igualmente na “lista negra” europeia com a excepção da companhia de bandeira TAAG que, no entanto, está limitada ao tipo de aviões que pode usar.

A lista actualizada da UE relativa ao nível de segurança aérea inclui 295 companhias proibidas certificadas em 21 países de operar no espaço aéreo da União Europeia.

Os países que integram a “lista negra” são Afeganistão, Angola (com a TAAG a operar “sob condições estritas”), Benim, Cazaquistão (à excepção de uma companhia aérea que opera com restrições e sob determinadas condições), República do Congo, República Democrática do Congo, Eritreia, Filipinas (à excepção de uma companhia aérea), Gabão (à excepção de três companhias aéreas que operam com restrições e sob determinadas condições), Guiné Equatorial, Indonésia (à excepção de cinco companhias aéreas), Djibuti, Libéria, Moçambique, Nepal, Quirguistão, São Tomé e Príncipe, Serra Leoa, Suazilândia, Sudão e Zâmbia.

Impedida de operar em espaço europeu, a STP Airways (de São Tomé e Príncipe) voa uma vez por semana para Lisboa, Portugal, com aviões fretados à companhia Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV).

A decisão da Comissão Europeia baseia-se no parecer unânime do Comité da Segurança Aérea da UE, que se reuniu de 19 a 21 de Novembro de 2013. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH