Bolsa de Valores de Moçambique lança serviço electrónico para registo de títulos mobiliários

18 March 2014

A Bolsa de Valores de Moçambique (BVM) vai lançar uma plataforma tecnológica para a desmaterialização de títulos mobiliários, a Central de Valores Mobiliários, anunciou a presidente Anabela Chambuca.

Com a introdução de um sistema digital, que passa a registar acções, obrigações e outros valores mobiliários em formato electrónico, a BVM segue a tendência de grande parte das bolsas de valores internacionais, que têm vindo a abandonar o registo físico de títulos mobiliários.

“O risco de extravio, perda e falsificação será acautelado com o serviço e pensamos que a sua criação irá motivar as sociedades anónimas, mesmo as que não estão cotadas em bolsa, a terem os títulos registados na central de valores”, afirmou Anabela Chambuca, durante a apresentação da Central de Valores Mobiliários (CVM).

Além da desburocratização nos serviços responsáveis pela emissão de títulos, o sistema electrónico deverá eliminar custos associados ao seu registo físico, permitindo, por exemplo, o pagamento de dividendos de forma mais célere aos seus titulares.

Segundo Anabela Chambuca, a CVM poderá entrar em funcionamento já no final do primeiro semestre deste ano, indo custar à instituição cerca de 13 milhões de meticais (cerca de 412 mil dólares).

Actualmente, estão cotadas na BVM 10 empresas – Cervejas de Moçambique, Companhia Moçambicana de Hidrocarbonetos, Banco Comercial e de Investimentos, Banco Internacional de Moçambique (Millennium bim), ProCredit, Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, Moçambique Celular, Petróleos de Moçambique, Standard Bank e Moza Banco. (macauhub)

MACAUHUB FRENCH