Total adjudica mais contractos para projecto petrolífero em Angola

17 April 2014

Três empresas europeias obtiveram contractos que representam quase metade dos 16 mil milhões de dólares que o grupo francês Total pretende despender no desenvolvimento do projecto petrolífero Kaombo, em Angola, de acordo com comunicados divulgados quarta-feira.

A Saipem de Itália anunciou ter obtido um contracto de 4 mil milhões de dólares para converter dois navios-tanque em plataformas flutuantes de produção, armazenagem e descarregamento (FPSO, na sigla em inglês).

A Technip, cotada na Bolsa de Paris e a empresa Heerema Marine Contractors, especializada em elevação de cargas, reunidas em consórcio, anunciaram ter assinado um contracto no valor de 3,5 mil milhões de dólares para fornecerem tubos submarinos e cabos para ancorar os dois FPSO ao fundo mar, a uma profundidade de 2 quilómetros.

Na terça-feira a empresa Aker Solutions da Noruega anunciou ter obtido um contracto de 2,4 mil milhões de dólares para fornecer ao grupo petrolífero francês Total um sistema submarino de produção para o projecto Kaombo, no bloco 32 do mar de Angola.

O Kaombo é um dos maiores projectos de exploração petrolífera submarina em termos mundiais, localizando-se a 260 quilómetros da costa de Angola.

Com uma capacidade de produção diária prevista de 230 mil barris, a iniciar-se em 2017, o Kaombo está numa área com reservas estimadas em 650 milhões de barris.

O grupo Total é operador do Bloco 32, no qual detém uma participação de 30%, ao lado da Sonangol Pesquisa & Produção, com idêntica percentagem, Sonangol Sinopec Internacional (20%), ExxonMobil (15%) e o grupo português Galp Energia (5%). (macauhub/AO)

MACAUHUB FRENCH