Presidente de Angola pretende maior cooperação entre Sonangol e ENI de Itália

22 July 2014

Angola pretende reforçar a cooperação entre a petrolífera estatal Sonangol e o grupo italiano ENI visando a construção de uma refinaria e a expansão internacional dos negócios, disse segunda-feira em Luanda o Presidente de Angola.

No final de um encontro em privado que manteve com o primeiro-ministro da Itália, Matteo Renzi, que efectuou uma visita oficial de 24 horas a Angola, José Eduardo dos Santos adiantou que a cooperação pretendida deve ser alargada às infra-estruturas de apoio ao desenvolvimento do sector petrolífero, como a construção de plataformas, reparação naval e serviços de engenharia, entre outros.

“Produzimos petróleo, queremos também produzir gás e queremos alargar essa cooperação para lá das fronteiras de Angola”, reforçou o Presidente, que disse ser do interesse do Estado angolano que o grupo ENI assuma um maior protagonismo na condução do processo de construção da nova refinaria.

“Nós somos um país que importa quase tudo e, como queremos ir substituindo as importações por produção nacional, esse objectivo abre oportunidades para os empresários italianos que queiram investir em Angola”, referiu ainda José Eduardo dos Santos.

Por seu turno, o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, manifestou total disponibilidade em trabalhar com o Estado angolano numa parceria conjunta, no domínio do campo energético, envolvendo as empresas petrolíferas ENI e a Sonangol.

Renzi anunciou a ida a Angola, ainda este ano, do vice-ministro italiano para o Desenvolvimento Económico, Carlo Callenda, acompanhado por empresários da Itália, para analisarem as possibilidades de reforçar a cooperação em diversos sectores.

A visita de Matteo Renzi a Angola acontece 40 anos depois do estabelecimento das relações políticas e diplomáticas entre os dois países e tem um pendor empresarial, atendendo a que o primeiro-ministro se fazia acompanhar de uma delegação integrada por 25 empresários. (macauhub/AO)

MACAUHUB FRENCH