Processamento informal de castanha de caju vai ser apoiado em Moçambique

24 July 2014

O Instituto de Fomento do Caju (Incaju) de Moçambique vai começar a fornecer aos processadores informais pequenas unidades de descasque e embalagens para acondicionamento do produto, informou em Nampula a directora nacional da instituição.

Filomena Maiopué revelou que o apoio será prestado aos processadores informais de castanha de caju baseados nas províncias consideradas potenciais produtoras daquela cultura que, de acordo com dados estatísticos, envolve cerca de um milhão de famílias.

Estimativas do Incaju relativas à produção nacional de castanha de caju na última época apontam para cerca de 60 mil toneladas, sendo que metade dessa produção é processada ao nível do sector informal.

A directora nacional do Incaju que um dos objectivos desta campanha é procurar melhorar a qualidade da embalagem contendo castanha de caju, como forma de atrair o comprador e conferir valor acrescentado do produto.

De acordo com o matutino Notícias, de Maputo, Filomena Maiopué disse ainda que os processadores informais têm de se organizar em associação a fim de poderem ter acesso às unidades de descasque e às embalagens, tendo estas a identificação dos processadores e sua localização para permitir que o cliente ou consumidor possa aceder com relativa facilidade ao seu fornecedor de amêndoa de caju. (macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH