Têxtil Riopele retoma laboração em Moçambique

27 August 2014

A fábrica têxtil Riopele retoma sexta-feira a laboração com a inauguração da primeira fase de um projecto que a médio prazo será um complexo agro-industrial que incluirá uma fábrica de confecção de vestuário, disse o presidente do grupo Intelec Holding.

Salimo Abdula, cujo grupo é accionista do consórcio Mozambique Cotton Manufacturers (MCM), dono do projecto, disse ao jornal Notícias, de Maputo, que nesta primeira fase a actividade da Riopele limitar-se-á à fiação de algodão.

“Para esta fase (fiação) a empresa comprou algodão moçambicano à Companhia João Ferreira dos Santos para ser transformado em fios e depois ser colocado no mercado internacional”, disse Salimo Abdula, que salientou poder o fio vir, futuramente, a ser consumido pela indústria nacional.

Até à segunda fase, nomeadamente a de tecelagem, espera-se que o projecto venha a empregar cerca de 750 pessoas, número que poderá subir à medida que os investimentos previstos se forem concretizando, até atingir sete mil postos, altura em que toda a cadeia estará em pleno funcionamento, desde o cultivo do algodão até à confecção de vestuário.

O consórcio Mozambique Cotton Manufacturers (MCM), que há alguns anos adquiriu o património da Riopele, é constituído pela Intelec Holdings e pelas empresas portuguesas Mundotêxtil, Mundifios e Crispim Abreu. (macauhub/MZ/PT)

MACAUHUB FRENCH