Novas barragens em Moçambique facilitam desenvolvimento da agricultura

3 September 2014

A construção das barragens de Lupata e Boroma, na província de Tete, facilitará o desenvolvimento da agricultura e da silvicultura ao longo do rio Zambeze, afirmam os responsáveis das empresas que recentemente assinaram os respectivos contratos de concessão.

Os responsáveis acreditam que, quando concluídas, as duas albufeiras contribuirão para minorar os efeitos das cheias que ciclicamente têm afectado de forma dramática as populações que vivem ao longo do vale do rio Zambeze e nos distritos ribeirinhos, de acordo com o matutino Notícias, de Maputo.

As duas concessões atribuídas pelo governo destinam-se à construção de duas barragens para a produção de 800 megawatts (mW) de energia hidroeléctrica, essenciais para satisfazer a crescente procura doméstica de energia eléctrica.

As sociedades fazem parte de um grupo moçambicano e do consórcio de empresas que o integram, designadamente a Sonipal, Lda, as sociedades Hydroparts, Ruthland e Cazembe Holdings, em parceria estratégica com a empresa pública Electricidade de Moçambique.

Paulo Ratilal, em representação das sociedades proponentes, disse na sessão de assinatura dos contratos de concessão que Moçambique é um país extenso, com uma média de 120 000 novas ligações eléctricas por ano e uma procura de energia que cresce cerca de 14% a 16% por ano.

“Nos próximos anos, só na cidade de Maputo, estão previstos cerca de 100 novos prédios residenciais e de escritórios, bem como vários condomínios e nos restantes centros urbanos estão igualmente previstas novas construções, com destaque para Beira, Nacala e Pemba, além dos corredores de desenvolvimento e zonas económicas especiais, pólos de desenvolvimento como Nacala, Beluluane, Manga, Dondo, Tete, Palma, entre outros”, disse Paulo Ratilal. (macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH