Guiné-Bissau cria Fundo para apoiar indústria do caju

24 September 2014

A convenção que regula o acesso a um fundo para financiar projectos de transformação da castanha de caju foi terça-feira assinada entre o governo da Guiné-Bissau e a Fundação Guineense para o Desenvolvimento Empresarial e Industrial (Fundei).

O fundo, com uma dotação inicial de 1,5 milhões de euros, pretende fazer com que a castanha de caju, principal produto agrícola do país, deixe de ser exportada em bruto para a Índia, como acontece actualmente, e ganhe valor acrescentado com a sua transformação na Guiné-Bissau.

A dotação inicial será proveniente do Fundo de Promoção de Pequenas e Médias Indústrias de Transformação (Funpi), um imposto cobrado pela Câmara do Comércio nas transacções da castanha do caju em bruto, mas apropriado pelo governo, de acordo com a agência noticiosa Lusa.

O director executivo da Fundei, Califa Seidi, disse que a verba será utilizada essencialmente para financiar os operadores privados da indústria de transformação da castanha de caju, nomeadamente em formação e compra de equipamentos, além da própria castanha de caju.

Nos termos da convenção, as taxas de juro a aplicar estarão no intervalo de 3% a 4%, “muito longe das taxas de juro da banca comercial que oscilam entre 17% e 18%”, e o empréstimo tem um prazo de amortização de 12 meses. (macauhub/GW)

MACAUHUB FRENCH