FMI prevê crescimento económico de 7,5% para Moçambique em 2014

7 November 2014

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia moçambicana cresça 7,5% este ano, uma redução de quase um ponto percentual face à anterior previsão, que apontava para um crescimento de 8,3%, anunciou a organização quarta-feira, em Maputo.

Nas conclusões da terceira avaliação ao Programa de Apoio a Políticas (PSI, na sigla), acordado pelo governo moçambicano com o FMI em Junho de 2013, a missão técnica da instituição financeira com sede em Washington mantém a perspectiva de que o desempenho económico de Moçambique permanecerá “robusto” em 2014 e em 2015, com a economia a registar uma expansão de 7,5% em ambos os anos.

O FMI sustenta a sua avaliação com a “forte actividade” económica verificada em todos os sectores, particularmente no extractivo, de construção, transportes e comunicações, comércio e serviços financeiros e aponta como principais riscos o declínio dos preços dos produtos primários nos mercados internacionais, sobretudo o do carvão, e a incerteza relativa aos grandes projectos de gás natural, projectados para a região norte do país e com início previsto para depois de 2018.

Depois de ter apontado uma taxa de inflação média anual de 4,6% na sua anterior avaliação, o FMI considera agora que este indicador “permanece contido” em resultado do aumento da produção interna de alimentos e do declínio do preço das importações, esperando que o país termine o ano com uma inflação “abaixo de 3%”.

Entre os vários compromissos assumidos pelo Governo no decorrer da terceira avaliação ao programa figura o fortalecimento da gestão das empresas públicas, assim como a publicação dos relatórios de contas anuais das maiores empresas estatais, incluindo a Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), à qual o Estado prestou uma garantia financeira de 850 milhões de dólares em 2013, que representou cerca de 6% do PIB. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH