Petrolíferas solicitam prorrogação do prazo de concurso lançado por Moçambique

4 December 2014

Empresas petrolíferas estão a solicitar ao governo de Moçambique a prorrogação do prazo do concurso internacional lançado em Outubro, em Maputo e Londres, para a concessão de 15 blocos de gás e petróleo, informou o presidente do Instituto Nacional de Petróleos.

Arsénio Mabote disse quarta-feira em Maputo que habitualmente as empresas costumam ter 6 meses para preparar as propostas mas “desta vez o governo decidiu que deviam ser submetidas e avaliadas até 20 de Janeiro, no prazo de três meses.”

Mabote adiantou estar o Instituto Nacional de Petróleos a receber solicitações de diversas empresas no sentido de poderem dispor de mais tempo para poderem preparar melhores propostas técnicas.

Este é o primeiro concurso internacional lançado por Moçambique desde a descoberta das reservas de gás natural na bacia do Rovuma, no norte do país, estimadas em 200 biliões de pés cúbicos, em blocos liderados pela norte-americana Anadarko e pela italiana Eni.

Em Setembro, foi iniciada a construção da Base Logística de Pemba, na província de Cabo Delgado, que deverá ficar concluída em 2016, dois anos antes da data apontada para o início da exploração de gás natural no país.

Mais de 500 delegados e 40 empresas participam na II Cimeira do Gás, onde se discute o papel de Moçambique e das suas grandes reservas na bacia do Rovuma no mercado global.

Organizado pela estatal Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) e pelo grupo de promoção de eventos CWC, a cimeira juntará até 5 de Dezembro os principais líderes mundiais da indústria de gás natural, representantes de governos, investidores, distribuidores e compradores. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH