Coal India abandona consórcio estatal que explora carvão em Moçambique

25 February 2015

O grupo Coal India Ltd (CIL) decidiu abandonar o consórcio International Coal Ventures Ltd. (ICVL), formado por empresas estatais indianas para adquirir e explorar activos carboníferos no estrangeiro, de acordo com um comunicado à Bolsa de Valores de Bombaim.

No comunicado, o grupo limita-se a informar ter o conselho de administração decidido abandonar aquele consórcio, depois de anteriormente ter afirmado que a permanência naquele conjunto de empresas trazia apenas um aumento de encargos sem os correspondentes benefícios.

O consórcio foi formado em 2009 como um “veículo com objectivo específico” por empresas siderúrgicas do sector público, Steel Authority of India (SAIL) e Rashtriya Ispat Nigam Limited (RINL), pela maior empresa produtora de minério de ferro, National Mineral Development Corporation Ltd e pela Coal India com um capital social de 100 mil milhões de rupias (1620 milhões de dólares).

A notícia da saída do CIL do consórcio acontece poucos dias depois a empresa ter confirmado à agência noticiosa Platts que em Setembro irá decidir sobre a continuidade das suas operações em Moçambique, nomeadamente em Moatize, na província de Tete, dependendo da qualidade do carvão em exploração nessa zona.

Em Julho de 2014, o ICVL pagou 50 milhões de dólares para adquirir os activos carboníferos do grupo anglo-australiano Rio Tinto detinha em Moçambique.

O negócio, concretizado no início de Outubro, envolveu a totalidade das minas que a Rio Tinto possuia nas províncias da Zambézia e Tete e 65% das reservas de Benga (também em Tete) e pelas quais tinha pago mais de 3 mil milhões de dólares em 2011 à Riversdale Mining. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH