Investimento privado em Angola deverá criar 41 mil postos de trabalho até 2017

10 March 2015

Trinta e seis projectos de investimento privado, ao abrigo do programa de aceleração da diversificação da economia de Angola, deverão criar 41 mil postos de trabalho directo nos próximos três anos, disse segunda-feira em Luanda o ministro da Economia.

Só uma empresa japonesa do sector têxtil, segundo o ministro angolano, tem em curso a recuperação e expansão de três fábricas em Angola, num investimento superior a mil milhões de dólares, considerado “acelerador” do processo de diversificação da economia.

O total dos investimentos privados que se inserem no programa de aceleração da diversificação da economia, com projectos privados já programados e outros novos, ascende a 22,7 mil milhões de dólares e envolve sete agrupamentos tidos como prioritários.

É o caso da agricultura, pescas, petróleo e gás, geologia e minas, turismo, transportes e energia e águas, sendo que “projectos nestas áreas serão tratados pelo governo como prioritários”, salientou o ministro da Economia.

No processo de diversificação da economia, segundo os números transmitidos pelo ministro, o peso da agricultura no Produto Interno Bruto angolano cresceu, entre 2012 e 2014, de 7% para 12%, enquanto o sector dos serviços passou de 22% para 27%, no mesmo período.

Presente no Fórum de Negócios Angola/Japão, Koichi Yajima, do Banco Japonês para a Cooperação Internacional (JBIC), referiu a disponibilidade daquele banco público para financiar investimentos em Angola, de investidores do Japão, no sector agrícola. (Macauhub/AO)

MACAUHUB FRENCH