Mercado de acesso à Internet é livre na Guiné-Bissau

15 May 2015

O mercado de fornecimento do serviço de acesso à Internet é livre na Guiné-Bissau, disse quinta-feira em Bissau João Bernardo Vieira, secretário de Estado dos Transportes e Comunicações.

Bernardo Vieira, que falava à margem da sessão de apresentação da empresa Net Sem Fios, um consórcio constituído na Guiné-Bissau pelas empresas portuguesas Elmafe e Wifi Antena, adiantou não ser necessário dispor de uma licença de GSM para ter uma autorização geral de prestação do serviço de Internet.

“Quem quiser entrar neste mercado apenas necessita de pedir uma autorização à Autoridade Reguladora Nacional, pelo todos os que estão em condições de entrar no mercado da Internet no país podem fazê-lo”, disse o secretário de Estado.

Além do serviço de fornecimento de acesso à Internet, a Net Sem Fios vai comercializar produtos informáticos, tanto equipamento como programas, o desenvolvimento de páginas electrónicas e programas de gestão e sistemas de videovigilância.

Numa primeira fase os serviços de acesso à Internet estarão disponíveis apenas em Bissau, a cidade capital, sendo progressivamente alargados ao interior do país, de acordo com Fernando Gomes, administrador da empresa Net Sem Fios.

Entretanto, a operadora Orange iniciou esta semana a primeira oferta comercial de Internet móvel de alta velocidade (3G+) na Guiné-Bissau, de acordo com o director comercial Maurício Mané.

Apesar de o país não dispor de ligação por fibra óptica aos cabos submarinos atlânticos que fazem parte da infra-estrutura mundial da Internet, “a Orange investiu na ligação por fibra para Dacar”, capital do Senegal, “e tem capacidade mais que suficiente” para fornecer a Guiné-Bissau, referiu Maurício Mané. (Macauhub/GW)

MACAUHUB FRENCH