Timor-Leste “acelerou” gastos públicos no último trimestre de 2014

22 May 2015

O governo de Timor-Leste acelerou a execução orçamental no último trimestre de 2014, tendo gasto nos últimos três meses do ano praticamente tanto com nos 9 meses anteriores, de acordo com dados oficiais da execução orçamental hoje divulgados em Dili.

As contas baseiam-se no relatório de execução orçamental relativo ao 3º trimestre de 2014, divulgado pela Direcção Nacional do Tesouro, do Ministério das Finanças timorense e na informação já publicada pelo Banco Central sobre a execução em todo o ano passado.

O relatório hoje divulgado informa que até final do terceiro trimestre tinha sido executado cerca de 50% do orçamento total previsto para 2014, ou seja 756,5 milhões dos 1,5 mil milhões de dólares orçamentados.

O Banco Central de Timor-Leste (BCTL), no seu relatório anual divulgado também este mês, refere que em 2014 se executou 91,2% do total orçamentado para o ano ou 1368 milhões de dólares, o maior gasto anual público de sempre.

Estes dados indicam que só no terceiro trimestre do ano o Estado timorense executou mais de 612 milhões de dólares.

Já em termos homólogos a execução orçamental era, no final de Setembro, 16 pontos percentuais superior à de 34% verificada até final de Setembro de 2013.

No que toca à cobrança de receitas, e também segundo o relatório do Ministério das Finanças, a execução indica que até final de Setembro o Estado tinha cobrado 66% do valor orçamentado para o ano (um total de 142,4 milhões de dólares).

Apesar disso a cobrança de 94,5% até Setembro equivale a menos 3% que no período homólogo de 2013.

“Os Bens e Serviços (279,9 milhões de dólares no terceiro trimestre e 199,8 milhões no período homólogo de 2013) e as Transferências Públicas (199,9 milhões no terceiro trimestre e 123,8 milhões no período homólogo de 2013) contribuíram para o aumento das despesas e reflectem um maior nível de execução orçamental”, indica o relatório.

“Esta maior execução no trimestre provocou igualmente défices fiscais maiores do que os registados no período homólogo do ano anterior”, sublinha.

O governo tinha orçamentado para 2014 um gasto de 1,5 mil milhões de dólares e de receitas petrolíferas de 166,2 milhões de dólares.

O défice fiscal total de 1333,8 milhões de dólares foi financiado “por meio de transferências a partir do Fundo Petrolífero no valor de 902,9 milhões de dólares, por empréstimos na ordem dos 31,1 milhões e pelo levantamento de reservas de dinheiro a partir do Fundo das Infra-estruturas e do Fundo Consolidado de Timor‐Leste (FCTL), no valor total de 399,8 milhões”. (Macauhub/TL)

MACAUHUB FRENCH