Empresa mineira Vale Moçambique regista acidente no porto de Nacala-a-Velha

28 July 2015

A queda de uma de duas empilhadoras de carvão, actualmente em fase final de montagem no porto de Nacala-a-Velha, norte de Moçambique, ocorrida na semana passada, está a ser alvo de um inquérito, informou o grupo brasileiro Vale.

O grupo informou ainda em comunicado que o incidente, que não causou danos pessoais, está a ser analisado pelo fornecedor do equipamento e responsável pela sua montagem, que já enviou uma equipa para o local a fim de averiguar as causas do ocorrido.

A empilhadora de carvão, designada em inglês por “coal stacker”, é um equipamento de grandes dimensões que é utilizado para movimentar carvão e outros granéis sólidos.

Fontes citadas pela agência financeira Reuters disseram que este incidente representa mais um problema para as operações da subsidiária Vale Moçambique que carece ainda das infra-estruturas necessárias para o escoamento do carvão mineral que está a extrair em Moatize, província de Tete.

Até à data, a Vale tem estado a exportar carvão através da linha de caminho-de-ferro do Sena, que tem uma capacidade de carga limitada, pelo que tem estado a investir cerca de 4 mil milhões de dólares na construção de uma linha alternativa que saindo de Moatize chega a Nacala depois de atravessar o Malaui.

A linha de caminho-de-ferro, com uma extensão de 900 quilómetros, e o porto de Nacala-a-Velha fazem parte do chamado Corredor de Nacala, consórcio entre a estatal Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique e a Vale, que vendeu ao grupo japonês Mitsui uma parcela de 35% no Corredor e de 15% na mina de carvão. (Macauhub/BR/MZ)

MACAUHUB FRENCH