Carregamento de navios em Maputo, Moçambique, reduzido para dois dias e meio

19 August 2015

A Sociedade de Desenvolvimento do Porto de Maputo (MPDC) vai reduzir para dois dias e meio o carregamento de um navio de 40 mil toneladas, disse o gestor de operações Alexandre Houane, citado pela agência noticiosa AIM.

Houane disse ainda que a redução do tempo necessário para carregar um navio, até agora feito em três dias e meio, resulta da recente aquisição, pela MPDC, de dois guindastes móveis destinados a melhorar os níveis de eficiência e produtividade no processamento de carga.

Os guindastes, da série LHM550, da empresa alemã Liebherr, cuja produção e adaptação às necessidades operacionais do porto de Maputo demorou oito meses, têm capacidade de elevação de 144 toneladas.

“Uma operação de ferro crómio, por exemplo, que, em condições óptimas, permite carregar um navio Handymax (de 40 mil toneladas) em três dias e meio, vai agora ser feita em dois dias e meio, ou seja, menos um dia”, disse Houane.

A MPDC investiu igualmente no aumento da capacidade de armazenamento de ferro crómio em 1 milhão de toneladas/ano, bem como numa gama diversa de empilhadoras, tractores e atrelados para assegurar um manuseamento de carga regular e eficiente.

A MPDC é uma empresa privada, nacional, que resulta da parceria entre a estatal Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique, grupos Grindrod da África do Sul e DP World dos Emirados Árabes Unidos e Mozambique Gestores.

O Porto de Maputo foi concessionado pelo governo à MPDC em 2003 mas ganhou uma nova dinâmica em 2008 quando os grupos Grindrod e DP World adquiriram a maioria das acções da Portus Indico, o maior accionista (51%) e patrocinador do projecto. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH