Navios a pescar ilegalmente em Timor-Leste serão destruídos

31 August 2015

Timor-Leste vai destruir os barcos apanhados a pescar ilegalmente e cooperar com a Indonésia na fiscalização nas águas timorenses, disse sábado em Jacarta o coordenador dos Assuntos Económicos e ministro da Agricultura e Pescas, Estanislau da Silva.

“Temos um consenso interno sobre o assunto, podemos fazê-lo e vamos fazê-lo”, garantiu o ministro timorense, após ter assinado com a ministra dos Assuntos Marinhos e das Pescas da Indonésia, Susi Pudjiastuti, um memorando de entendimento para reforço da cooperação entre os dois países na área das pescas, especialmente no combate à pesca ilegal.

A agência noticiosa Lusa informou ainda que o primeiro-ministro de Timor-Leste, Rui Maria de Araújo e o Presidente da Indonésia, Joko Widodo, decidiram resolver as disputas das fronteiras terrestres até ao final de 2015 e começar a analisar as questões fronteiriças marítimas.

Os dois governantes concordaram em “acelerar esforços para determinar os dois segmentos de fronteiras terrestres por resolver em Noel Besi – Cintrana e Bijael Sunan – Oben”, lê-se no comunicado conjunto distribuído no final do encontro.

Quanto às fronteiras marítimas, os líderes dos dois países vizinhos tencionam “começar a discussão antes ou durante o próximo encontro da Comissão de Fronteira Comum (JBC, na sigla inglesa) em 2015”, lê-se no comunicado.

No comunicado, é destacado sobretudo o investimento empresarial indonésio no sector bancário e em infra-estruturas e defendida a necessidade de uma maior aposta nas áreas da energia e das telecomunicações no mais recente país do Sudeste Asiático.

De acordo com o chefe do governo timorense, existem 24 empresas públicas e cerca de 400 empresas privadas indonésias a operar em Timor-Leste e perto de 700 indonésios a viver no país, sendo que Timor-Leste conta com cerca de 400 estudantes na Indonésia. (Macauhub/TL)

MACAUHUB FRENCH