Crescimento económico de Moçambique sem grande repercussão nas PME

22 September 2015

O crescimento económico que Moçambique tem registado nos últimos anos tem tido pouca repercussão nas pequenas e médias empresas (PME) do país, afirmou recentemente o vice-presidente da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA).

Agostinho Vuma disse ainda que para que as PME sejam abrangidas pelo crescimento registado pelo país é necessário alargar a base produtiva empresarial, o que propiciará mais emprego e uma melhoria significativa no acesso a bens e serviços por parte da população.

“Ao promover a expansão da base produtiva empresarial, as PME nacionais tornar-se-iam mais competitivas e em condições de prestar serviços à indústria extractiva bem como a outros sectores transversais, tais como o hoteleiro e o de logística”, disse Vuma, no decurso da primeira Conferência Internacional sobre Conteúdo Nacional, organizada pela CTA, em parceria com o Fundo para o Ambiente de Negócios (FAN).

A conferência visava igualmente discutir de que forma pode a política comercial de Moçambique apoiar o desenvolvimento industrial e o uso e acesso às normas de certificação e de qualidade pelas pequenas e médias empresas, de acordo com o jornal Notícias, de Maputo.

O vice-presidente da CTA disse também que a questão do conteúdo nacional não se pode resumir às grandes empresas ligadas à exploração de recursos minerais e de hidrocarbonetos, “uma vez que as nossas exportações são predominantemente de matérias-primas.”

Agostinho Vuma salientou ser necessário adicionar mais valor às exportações, através de ligações empresariais entre o pequeno produtor e a indústria para a redução das importações, criação de cadeias de valor e incentivo ao desenvolvimento empresarial. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH