Indústria de Moçambique aumenta processamento de castanha de caju

13 November 2015

As empresas moçambicanas de transformação de castanha de caju deverão processar 41 500 toneladas até ao final do ano, um acréscimo de 66% face às 25 mil toneladas processadas em 2014, informou o presidente da Associação dos Industriais do Caju (Aicaju).

Mohammed Yunus Abdul Gaffar, que falava recentemente na cerimónia de abertura da campanha 2015/2016 de comercialização da castanha, evento que decorreu no distrito de Muecate, província de Nampula, disse acreditar numa boa campanha de produção e comercialização da castanha, condição para o crescimento das indústrias processadoras.

O presidente da Aicaju informou ainda que irá iniciar-se este ano em Moçambique o processamento da casca da castanha para a extracção de óleo, o que é encarado como um passo importante no desenvolvimento integrado da indústria do caju em Moçambique.

O sector industrial do caju emprega actualmente em Moçambique pouco mais de 12 mil operários, número que deverá aumentar nos próximos tempos com a entrada em funcionamento de novas fábricas, de acordo com o matutino Notícias, de Maputo.

Uma nova fábrica de processamento da castanha vai ser inaugurada brevemente no distrito de Nampula, esperando-se que outra entre em funcionamento em 2016 no novo distrito de Liupo, um dos que se destacam na produção e comercialização do produto em Nampula.

Neste momento funcionam no país 14 fábricas de processamento de castanha, a maior parte situada na província de Nampula, maior produtora, com mais de 14 milhões de cajueiros.

A meta para a campanha de comercialização de castanha de caju em 2015/2016 é de 100 mil toneladas, contra 80 mil toneladas na anterior campanha. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH