Empresas estatais chinesas querem construir central termoeléctrica no Brasil

14 December 2015

As empresas estatais chinesas SEPCO Electric Power Construction Corporation e a Hebi Guochang Energy Development Co pretendem construir uma central termoeléctrica abastecida a carvão no Brasil, no estado do Rio Grande do Sul, junto à fronteira com o Uruguai, escreveu o jornal Estado de São Paulo.

A central, denominada Ouro Negro, teria uma capacidade instalada de 600 megawatts, passando a ser a segunda maior do Brasil abastecida a carvão, depois da de Pecém, com 720 megawatts, em funcionamento no estado do Ceará.

O jornal escreveu que do lado brasileiro está o empresário Sílvio Marques Dias Neto, que já presidiu à Companhia Estadual de Energia Eléctrica (CEEE) do Rio Grande do Sul e foi prefeito de Pedras Altas por dois mandatos, de 2001 e 2008.

Os chineses ficarão com o controlo da operação, com dois terços do capital social, devendo 80% do custo necessário à construção da central ser garantido pelo Banco de Desenvolvimento da China.

O Estado de São Paulo afirmou que se o dinheiro vem da China, “também virá cada parafuso necessário para construir a central térmica”, cujo projecto de arquitectura e de engenharia foi efectuado pelo chinês Northwest Electric Power Design Institute.

O empreendimento já foi aprovado pela Agência Nacional de Energia Eléctrica (Aneel), mas precisa ainda de obter a aprovação ambiental, sem o que não pode concorrer aos concursos lançados pelo governo para contratar a construção de novas centrais.

O Brasil tem actualmente 13 centrais termoeléctricas abastecidas a carvão em operação, que somam 3389 megawatts de potência, o equivalente a 2,4% de toda a potência eléctrica do país. (Macauhub/BR/CN)

MACAUHUB FRENCH