Moçambique perde anualmente mais de 219 mil hectares de floresta

16 December 2015

Moçambique perde anualmente mais de 219 mil hectares de floresta devido à exploração ilegal de madeira, realidade que afecta particularmente as províncias de Tete, Manica, Zambézia, Nampula e Cabo Delgado, afirmou no Chimoio o ministro Celso Correia.

O ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural disse que esta situação tem estado a agravar a problemática do desflorestamento no país, que dispõe de 27 milhões de hectares de floresta com potencial para exploração de madeira, de acordo com o jornal Notícias, de Maputo.

No decurso do II Encontro Nacional de Reflexão sobre a Exploração e Exportação de Recursos Florestais, que contou com a presença de operadores florestais, técnicos do sector e representantes da sociedade civil, Celso Correia citou um estudo universitário que estima em mais de 727 mil metros cúbicos a madeira que é anualmente explorada em Moçambique, com uma tendência crescente.

Este volume está acima do corte anual admissível, que se situa entre 515,7 mil e 640,5 mil metros cúbicos, segundo Celso Correia, que afirma que a exploração direccionada de espécies florestais, principalmente para exportação, tem vindo a causar a degradação das florestas.

O ministro salientou ser, por isso, urgente a introdução de reformas no sector florestal, que passam pelo acompanhamento e avaliação dos operadores florestais, suspensão da concessão de novos pedidos de áreas de exploração florestal, revisão da lei da taxa de sobrevalorização da madeira, proibição da exportação da madeira em toros e, finalmente, a adopção do projecto “Floresta em Pé”, que tem por objectivo promover o desenvolvimento rural baseado na protecção, conservação, valorização, criação e utilização sustentável da floresta. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH