FMI recomenda a Moçambique reforma do sistema de importação e de subsídios aos combustíveis

23 February 2016

O Fundo Monetário Internacional (FMI) recomendou a Moçambique que proceda à reforma do sistema de importação e dos subsídios aos combustíveis, em relatório recentemente divulgado em Washington.

O FMI, embora reconheça que a factura dos combustíveis pagas pelo Estado tem estado a reduzir-se em consequência da recente queda dos preços do petróleo nos mercados internacionais, adiantou que o sistema actual tem um custo elevado, é ineficiente e está mal direccionado.

O relatório prossegue dizendo que  em Maio de 2015 o governo precisou titularizar cerca de 100 milhões de dólares (0,7% do PIB) de dívidas devidas aos distribuidores de combustíveis para saldar parte dos subsídios acumulados em 2014 devido, em grande parte, a ineficiências no sistema de importação.

O custo da importação de combustíveis para Moçambique, acrescentou o FMI, é mais alto do que para a maioria dos países da região devido a uma série de ineficiências no sistema de importação, sobretudo desde Abril de 2014.

Ainda de acordo com o FMI, de entre as medidas que poderiam ajudar a melhorar o sistema incluem-se a permissão aos distribuidores de produtos petrolíferos e às grandes empresas de recursos naturais para importar combustíveis e mobilizar financiamento directamente, de acordo com as suas necessidades de mercado. (Macauhub/MZ)

MACAUHUB FRENCH