Italianos da ENI negociam venda de activos em Moçambique

29 March 2016

O grupo petrolífero italiano ENI está a negociar a venda ao grupo norte-americano ExxonMobil uma participação nos activos que detém em Moçambique, escreveu recentemente o jornal The Wall Street Journal.

O presidente do grupo italiano, Claudio Descalzi, efectuou há pouco tempo uma apresentação no decurso da qual confirmou as negociações e adiantou que a venda de metade dos activos detidos em Moçambique à Exxon Moçambique poderá ocorrer ainda em 2016.

O principal activo detido pelo grupo ENI em Moçambique é uma participação de 50% no bloco Área 4, da bacia do Rovuma, reduzido a metade depois da venda de uma participação indirecta de 20% à China National Petroleum Corporation.

Há cerca de um mês o Conselho de Ministros de Moçambique aprovou o plano de desenvolvimento da plataforma flutuante do Campo Coral Sul, a explorar pela petrolífera italiana ENI, no norte do país.

O anúncio por parte do governo abre caminho para uma decisão final de investimento da italiana ENI, que deverá ser tomada até ao final deste ano.

A aprovação do projecto da ENI surge um ano e dois meses depois da entrega do projecto, em Dezembro de 2014, no qual propõe a instalação de uma plataforma flutuante na costa a norte de Moçambique para processar o gás natural.

O grupo ENI funciona como operador do bloco Área 4, com 50%, onde tem como parceiros a China National Petroleum Corporation, 20% e os grupos sul-coreano Kogas e português Galp Energia e a estatal moçambicana Empresa Nacional de Hidrocarbonetos, com 10% cada. (Macauhub/CN/MZ/PT)

MACAUHUB FRENCH