Empresários defendem que desenvolvimento de recursos humanos é “fundamental” para Moçambique

20 May 2016

Moçambique precisa de desenvolver os seus recursos humanos, sem esquecer o capital necessário para a realização de projectos, disse quinta-feira em Pequim o director-geral do Centro de Promoção de Investimento.

Lourenço Sambo usava da palavra durante uma sessão de apresentação das oportunidades de negócio em Moçambique, realizada em Pequim, e que integrou a agenda da visita de Estado do Presidente da República de Moçambique, Filipe Jacinto Nyusi.

À margem do encontro, empresários privados fizeram suas as palavras de Lourenço Sambo e reiteraram que a formação de quadros especializados é imperativa para o desenvolvimento dos projectos.

Afonso Chan, vice-presidente da empresa Charlestrong Engenharia, Tecnologia e Consultoria, de Macau, lembrou que um dos grandes desafios neste momento “é encontrar quadros bilingues – Português e Mandarim – para o desenvolvimento dos negócios.”

“Através da assinatura de alguns protocolos com instituições de ensino superior conseguimos obter alguns tradutores que estão neste momento a trabalhar connosco em Moçambique”, disse Chan, para salientar haver ainda “um grande caminho a percorrer nesta área.”

Já a responsável pelo Parque Científico e Industrial de Medicina Tradicional Chinesa para a Cooperação Guangdong – Macau, Xie Yi, lembrou que na área da saúde, em especial da medicina tradicional, Moçambique pode ganhar com o conhecimento de Macau.

“A medicina tradicional chinesa é uma das três indústrias mais importantes em Macau e com o conhecimento dos nossos profissionais, Macau pode ser a ponte (…) no desenvolvimento da tecnologia, dos centros de pesquisa, da produção de medicamentos e na industrialização da medicina”, afirmou Xie Yi.

Os empresários integraram a delegação de empresários organizada pelo Instituto de Promoção do Comércio e do Investimento de Macau (IPIM) que participou na conferência sobre oportunidades de negócio em Moçambique.

Glória Ung, directora executiva do IPIM, transmitiu aos empresários e governantes presentes na sessão “a disponibilidade de Macau em aprofundar o seu papel de plataforma entre a China e os países de língua portuguesa.” (Macauhub/CN/MO/MZ)

MACAUHUB FRENCH