Angola deve aumentar receita pública não-petrolífera

26 May 2016

Angola deve procurar aumentar a receita pública não-petrolífera e melhorar a qualidade da despesa, tanto de investimento como correntes, recomendou em Luanda o representante residente do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Max Alier, que falava na apresentação das “Perspectivas Económicas Regionais”, projecto coordenado pela Faculdade de Economia da Universidade Agostinho Neto, reconheceu que grande parte da agenda da diversificação da economia, elaborada pelo governo, está centrada na remoção de obstáculos ao investimento e na melhoria de condições para as empresas fazerem negócios.

Alier, citado pelo Jornal de Angola, mencionou como exemplos dessa agenda a criação do Guiché Único, da nova Lei Geral do Trabalho e da nova Lei do Investimento Privado, aprovadas em 2015, como  exemplos da facilitação dos investimentos no país.

O representante do FMI reconheceu igualmente que o governo tem sido proactivo nos esforços de diversificação da economia, assente no Programa Nacional de Desenvolvimento 2013-2017, tendo afirmado que “antes do preço do petróleo baixar, Angola já tinha iniciado o processo conducente a essa diversificação.” (Macauhub/AO)

MACAUHUB FRENCH