Moçambique proíbe exportação de madeira em toro a partir de Janeiro de 2017

30 September 2016

Madeira cortada em Moçambique deixa de poder ser exportada em toro a partir de Janeiro de 2017, anunciou o director nacional de Florestas do Ministério da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural.

Xavier Sakambuera, que falava à margem da primeira reunião nacional do sector, realizada na cidade da Beira, província de Sofala, disse que a medida visa promover a industrialização do país, de acordo com o jornal Diário de Moçambique.

Nos termos da lei em vigor, a exportação de madeira de primeira classe é feita apenas depois de processada no país, enquanto a das restantes classes de qualidade pode ser efectuada em toro.

O corte legal de madeira em Moçambique situa-se entre 515 mil a 640 mil metros cúbicos por ano mas, devido à pressão que se regista sobre os recursos florestais, estas metas têm vindo a ser ultrapassadas, facto que motivou o governo com apoio do Banco Mundial a terem efectuado em 2015 um levantamento dos operadores florestais.

O levantamento revelou a existência em Moçambique de 1081 operadores, dos quais 198 são concessões e os restantes 707 apenas licenças simples, modalidade considerada não sustentável na exploração florestal por não dispor de planos de reposição das espécies abatidas.

“Foram concedidas demasiadas licenças simples, pelo que estamos a analisar a eliminação desta modalidade de exploração florestal”, concluiu o director nacional de Florestas. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH