Cabo Verde aconselhado a resolver problema das empresas públicas deficitárias

10 November 2016

O Grupo de Apoio Orçamental (GAO) aconselhou Cabo Verde a resolver “rapidamente a situação financeira insustentável” das empresas públicas de transporte aéreo e habitação, dizendo que atrasos na sua reestruturação representam “um grande risco” para a economia, nos termos de um comunicado divulgado quarta-feira na Praia.

O comunicado do GAO, que tem como membros o Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Mundial, Luxemburgo, Portugal e a União Europeia, foi lido no final da segunda missão anual de avaliação a Cabo Verde feita por aquele organismo, quarta-feira concluída.

Em causa estão as empresas públicas Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV) e Imobiliária, Fundiária e Habitat (IFH), sendo que no caso da primeira “a continuada subsidiação das operações poderá dar um sinal errado aos interesses do sector privado.”

O GAO contribuiu em 2016 para o Orçamento do Estado de Cabo Verde, através de doações e créditos, com cerca de 26,5 milhões de euros e os parceiros mantêm a sua preocupação com o “elevado défice orçamental” e a “rápida acumulação da dívida pública, registada nos últimos anos.”

O ministro da Economia e Emprego de Cabo Verde, José Gonçalves, anunciou há dias que o governo irá apresentar no primeiro trimestre de 2017 soluções concretas para resolver os problemas da companhia Transportes Aéreos de Cabo Verde (TACV), que deverão passar, entre outras medidas, pela redução do respectivo quadro de pessoal.

José Gonçalves acrescentou que os parceiros que apoiam Cabo Verde já estão “desgastados” com a reestruturação da TACV, cujo processo se arrasta há mais de 20 anos, pelo que pretendem agora uma solução, tanto mais que a companhia depende desses parceiros para se financiar. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH