Crédito malparado na banca de Angola aumenta 8,8% em 2015, KPMG

21 November 2016

O crédito vencido a mais de 90 dias ou malparado da banca a operar em Angola aumentou 8,8% em 2015 em termos anuais, o principal factor de instabilidade do sector, de acordo com o relatório “Análise ao Sector Bancário Angolano”, elaborado e sexta-feira apresentado em Luanda pela consultora KPMG.

O documento adianta que os bancos angolanos têm visto os níveis de crédito vencido a crescer de forma significativa desde 2012, com a KPMG a estimar que “o montante de crédito vencido duplicou desde 2012, o que corresponde a um crescimento anual de 26%.”

O levantamento da auditora partiu de um universo de 27 bancos a operar no mercado angolano, uma fatia que representa a quase totalidade do sector financeiro (93%) do país e, apesar da subida do crédito vencido, a banca angolana continua com a torneira do crédito aberta, de acordo com a KPMG, tendo o crédito bruto crescido mais de 9,5% em 2015.

A rentabilidade do sector, também associada ao crescimento do crédito, é outro ponto em que a banca angolana tem mostrado elasticidade, com os resultados líquidos agregados a crescerem 19,8%, devido à “evolução cambial registada em 2015, por crescentes montantes de proveitos relativos ao crédito concedido e progressivos níveis de eficiência operacional”, sintetiza a auditora.

Os cinco maiores bancos angolanos passaram de uma quota de mercado de 73% do total de activos em 2013, para 69% no final do ano passado, salienta a consultora, verificando-se o mesmo “ao nível do crédito concedido e depósitos.”

O BFA é o banco líder em depósitos, o segundo em activos totais e o quinto em crédito, sendo o líder em termos de resultados líquidos – 37,86 mil milhões de kwanzas.

Por lucros, o Banco BIC surge imediatamente a seguir ao BFA, com 27,65 mil milhões de kwanzas de resultado em 2015, ostentando a quarta posição em activos e em depósitos, e o lugar de bronze no crédito total. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH