Crescimento da economia de Moçambique deverá aumentar a partir de 2018

13 January 2017

Moçambique regressará a um período de maior crescimento económico entre 2018 e 2021, durante o qual a economia deverá crescer a uma taxa média de 5,1%, de acordo com as mais recentes previsões da Economista Intelligence Unit (EIU).

No entanto, a publicação recorda que, mesmo atingindo uma taxa média de 5,1%, a economia continua a crescer a valores mais baixos do que a média de 7,3% que foi registada no período compreendido entre 2005 e 2015.

Uma execução orçamental rígida deverá limitar o crescimento dos sectores da construção e dos serviços, “que historicamente têm baseado o seu crescimento em contractos públicos”, esperando a EIU que a partir de 2018 haja algum investimento privado nestes dois sectores.

A expansão gradual das culturas de rendimento deverá estar na base do crescimento da produção agrícola, se bem que se mantenha limitado devido à baixa produtividade registada entre os pequenos agricultores.

A EIU salienta que, a prazo, a exploração de gás natural, pelos grupos italiano ENI e norte-americano Anadarko Petroleum, deverá vir a ser o grande motor do desenvolvimento do país, com a construção de instalações para a liquidificação do gás a ser extraído em dois blocos da bacia do Rovuma.

Mas, salienta a publicação, “não se prevê que a exploração das reservas de gás possa começar no período em análise (2016/2021) devido à complexidade dos projectos em que aqueles dois grupos funcionam como operadores e ao facto de se estar a assistir a uma contracção internacional na concessão de crédito.”

Os preços, que a EIU prevê atingirem uma taxa de crescimento homóloga de 23,8% este ano, deverão começar a baixar em 2018, com uma taxa de 14,3%, posto o que regressam a valores com apenas um dígito, entre 8,8% em 2019 e 5,0% em 2021.

O défice orçamental deverá este ano baixar já para 6,7%, depois de uma estimativa de -9,7% em 2016, antes de se contrair para valores compreendidos entre -5,4% em 2018 e -3,0% em 2021.

A formação bruta de capital fixo ou investimento deverá contrair-se 14,8% este ano, depois de em 2016 se dever ter reduzido 11,6%, posto o que retomará o crescimento com um valor marginal de 0,2% em 2018, 5,2% em 2019, 11,6% em 2020 e 10,2% em 2021.

A EIU faz ainda menção à política monetária, afirmando que o Banco de Moçambique vai procurar estabilizar a moeda nacional bem como os preços mas adianta que, tendo em atenção a subida do dólar nos mercados internacionais, tudo indica que o metical mantenha o processo de desvalorização ao longo de 2017. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH