Participação do Banco BPI no Banco de Fomento Angola vai ser reduzida

17 January 2017

O banco espanhol CaixaBank vai elaborar um plano para reduzir a posição do Banco BPI no Banco de Fomento Angola, no qual detém uma participação minoritária de 48,1%, pode ler-se no prospecto da Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada sobre o banco português.

No prospecto divulgado através da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, o CaixaBank revela que o Banco Central Europeu, quando aceitou o lançamento de uma OPA e a aquisição do controlo do Banco BPI, fez uma “recomendação não vinculativa (…) para que reduza gradualmente a participação do BPI no BFA num período de tempo razoável.”

Aceitando a recomendação do BCE, o CaixaBank informa que irá preparar um plano de desinvestimento no BFA, “que poderá ser total ou parcial.”

A participação do BPI no Banco de Fomento Angola motivou um conflito entre os dois principais accionistas – o CaixaBank, com 45% e a sociedade angolana Santoro, com 18,9%.

Depois de durante dois anos o BPI ter tentado encontrar formas de cumprir as regras do BCE que o obrigavam a reduzir a exposição ao mercado angolano, os accionistas aprovaram em Dezembro a venda de 2% do Banco de Fomento Angola à operadora angolana Unitel, por 28 milhões de euros, passando o controlo da instituição para esta empresa, com 51,9%.

O fim do controlo do BFA pelo BPI e o facto de este banco estar a ser alvo de uma OPA pelo CaixaBank fez com que o BCE aceitasse que esta operação cumpria as condições de redução da exposição em Angola. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH