Rede diplomática e consular de Angola vai ser reduzida

16 May 2017

A rede diplomática e consular de Angola vai ser reduzida a partir de Setembro “a fim de poupar recursos humanos, técnicos e financeiros”, de acordo com um despacho presidencial que cria uma comissão “ad-hoc” para estudar e propor a redução e redimensionamento da representação de Angola no estrangeiro.

O despacho presidencial adianta que a redução e redimensionamento da rede diplomática e consular do país visa “torná-la menos onerosa, em função das disponibilidades que a actual situação económica e financeira nacional e internacional proporcionam.”

O redimensionamento é justificado no mesmo despacho citado pela agência noticiosa Lusa como uma forma de “aproveitar melhor as capacidades existentes e melhorar o funcionamento” tendo em vista a “maximização dos resultados que se pretende obter.”

A comissão agora criada, que terá 60 dias para apresentar o relatório final, será coordenada pelo ministro e chefe da Casa Civil do Presidente da República, Manuel da Cruz Neto, integrando ainda os ministros das Relações Exteriores, das Finanças, da Administração Pública, Trabalho e Segurança Social, entre outros elementos.

Das atribuições desta comissão constam “estudar e propor a redução e redimensionamento das missões diplomáticas angolanas no estrangeiro”, devido às “verbas disponíveis e do pessoal diplomático, técnico-administrativo estritamente necessário ao desempenho da actividade.”

O governo inscreveu no Orçamento Geral do Estado (OGE) para 2017 uma verba de 32 663 milhões de kwanzas (196 milhões de dólares) para a rubrica das Missões Diplomáticas, Consulares e Representações Comerciais, cerca de metade para pagar salários, montante que representa um aumento anual de 18%.

Angola está representada na China por uma embaixada em Pequim e por consulados-gerais em Cantão, Hong Kong e Macau. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH