Investimentos da China em Angola permitem reduzir importações

6 June 2017

Os investimentos efectuados em Angola por empresários da China têm permitido reduzir a importação de diversos produtos, que vão desde materiais de construção a motorizadas ou a ovos, de acordo com representantes da Câmara de Comércio Angola-China (CAC).

No decurso de visitas efectuadas recentemente a diversas empresas a operar no município de Cacuaco, província de Luanda, os representantes da CAC, citados pelo Jornal de Angola, constataram que as unidades fabris montadas por empresários chineses colocam no mercado 12 produtos acabados, como rações para animais, mobiliário, placas de madeira, quatro modelos de motorizadas, sofás, colchões e varões em aço para a construção civil.

Capitais aplicados pelo grupo Guangde International permitiram a construção de uma unidade avícola, em que são actualmente produzidas 100 caixas de 360 ovos por dia, com previsão de aumento da produção para 130 caixas/dia, bem como rações para animais e um tonelada de cogumelos por dia.

O mesmo grupo está também envolvido na produção de nove mil metros de chapas de zinco por dia numa outra unidade, onde também produz 300 varões de aço por dia e numa outra fábrica produz diariamente 20 cadeirões e 200 colchões.

A empresa Agir Huang, que reparte um capital inicial de 1,2 milhões de dólares em 60% por parceiros angolanos e 40% por chineses, monta diariamente 110 motorizadas rápidas e de três rodas da marca Lin King.

Os mercados mais importantes desta empresa estão nas províncias do Uíge, Huambo, Cuanza Sul, Benguela, Malanje e Bié, disse o gestor angolano Luís Gourgel. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH