Comercialização de cimento em Moçambique exige certificação a partir de 30 de Setembro

7 June 2017

A comercialização de cimento não certificado fica proibida em Moçambique a partir de 30 de Setembro próximo, anunciou segunda-feira em Maputo o director do Instituto Nacional de Normalização e Qualidade (INNOQ), Alfredo Sitoe.

A medida, que deriva da aplicação do decreto 28/2016, de 18 de Julho, que aprova o regulamento sobre a produção, transporte e comercialização do cimento em Moçambique, exige que a partir daquela data todo o cimento importado e produzido localmente deverá ostentar obrigatoriamente na embalagem a marca de certificação de qualidade do INNOQ.

Alfredo Sitoe adiantou que os sacos de cimento têm ainda de apresentar uma indicação sobre a data de produção e sua validade e especificou que esta medida visa fazer com que os consumidores, incluindo empreiteiros e fiscais de obras, deixem de ter dúvidas sobre a qualidade do produto fornecido.

O director do INNOQ disse também que a medida vai igualmente facilitar o trabalho da Inspecção Nacional das Actividades Económicas (INAE) para apurar se um determinado saco ou lote de cimento está devidamente certificado. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH