Governo de Cabo sem interesse em participar no capital da companhia aérea TACV Internacional

9 June 2017

O ministro das Finanças de Cabo Verde garantiu quinta-feira que o Estado não tem interesse em participar no capital da companhia aérea TACV Internacional e que não haverá aumento de impostos para pagar a dívida de 12 mil milhões de escudos (109 milhões de euros) da empresa, “cerca de 9 a 10% do PIB.”

Olavo Correia disse ainda no final da reunião entre o governo e o Grupo de Apoio Orçamental (GAO) ter a companhia aérea sido um dos temas do encontro, tendo uma das recomendações sido precisamente que o governo encontre uma solução rápida para o problema da transportadora aérea.

O Banco Mundial suspendeu a ajuda a Cabo Verde até que o governo apresentasse um plano de reestruturação da companhia aérea, tendo o ministro das Finanças admitido que a situação se mantém sem qualquer alteração.

Os membros do GAO recomendaram ao governo do arquipélago que “actue rapidamente” para procurar reduzir a dívida pública, que em 2016 subiu 4,4 pontos percentuais para os actuais 132,2%, do Produto Interno Bruto (PIB).

A recomendação saiu da primeira reunião de 2017 da missão de avaliação do GAO, que decorreu durante toda a semana e quinta-feira concluiu os seus trabalhos.

Os membros do GAO – Banco Africano de Desenvolvimento, Banco Mundial, Luxemburgo, Portugal e União Europeia – mostraram-se “encorajados” pelos resultados económicos alcançados por Cabo Verde em 2016, ano em que a economia cresceu 3,9%, contra 1,1% em 2015 e o défice orçamental reduziu-se em um ponto percentual para 3,6%.

O montante global das ajudas para 2017 não foi divulgado, mas dados avançados recentemente por José Manuel Pinto Teixeira dão conta que este ano Cabo Verde já recebeu da União Europeia 17 milhões de euros para ajuda ao orçamento do Estado. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH