Companhia de Bioenergia de Angola prevê aumento da produção na campanha 2017/2018

28 June 2017

A produção de açúcar da Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) na campanha 2017/2018 pode atingir 63 mil toneladas, estimando-se um crescimento de 20% em relação à anterior, quando foram produzidas 52 mil toneladas, disse o director-geral adjunto da empresa.

Luís Bagorro Júnior, citado pela agência noticiosa Angop, disse ainda que para atingir aquela produção serão processadas 601 mil toneladas de cana-de-açúcar, colhidas numa área de 12 600 hectares, enquanto 2016 a moagem foi de 510 mil toneladas de cana-açúcar e a área de colheita foi de 9272 hectares.

Além do açúcar, a Biocom deverá produzir nesta campanha 15 278 metros cúbicos de etanol, contra 14 263 na anterior e produzir 200 mil megawatts hora de energia eléctrica, contra 57 megawatts hora no ano passado.

O director-geral adjunto, que falava terça-feira sobre a colheita 2017/2018, que se inicia dia 29 de Junho corrente, disse que a empresa está a trabalhar para atingir as metas de produção fixadas para a fase de maturidade do projecto, na safra 2020/2021, quando serão produzidos 256 mil toneladas de açúcar, 33 mil m3 de etanol anidro e 235 mil megawatts hora de energia eléctrica.

A Biocom é a primeira empresa de Angola a produzir e a comercializar açúcar, etanol e energia eléctrica a partir da biomassa, tendo como principal destinatário os pequenos, médios e grandes grossistas do mercado angolano.

A Companhia de Bioenergia de Angola é uma empresa que resultou de uma parceria entre a Odebrecht Angola Produtos e Serviços, subsidiária do grupo brasileiro Odebrecht, a empresa angolana Cochan, com 40% cada e a estatal Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol), com os restantes 20%. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH