Governo de Moçambique aprova negócio entre grupos petrolíferos ENI e ExxonMobil

6 September 2017

O governo de Moçambique aprovou alterações ao contracto de concessão da exploração de gás natural da área 4 da bacia do Rovuma que permitem a conclusão do negócio efectuado entre os grupos italiano ENI e norte-americano ExxonMobil, anunciou terça-feira em Maputo a ministra dos Recursos Minerais.

O grupo ExxonMobil pagou 2,8 mil milhões de dólares em dinheiro ao grupo italiano por uma participação de 35,7% na ENI East Africa e, através desta empresa, uma participação indirecta de 25% no bloco Área 4 da bacia do Rovuma, norte de Moçambique, de acordo com o anúncio efectuado em Março passado.

Na sequência da aprovação do negócio, a ENI East Africa passa a ter como accionistas os grupos ENI e ExxonMobil, ambos com 35,7% cada e China National Petroleum Corporation (CNPC), com 28,6%.

A ministra Letícia Klemens disse no final da reunião do Conselho de Ministros que o Estado moçambicano espera arrecadar até ao final do ano 354,4 milhões de dólares, em resultado da aplicação da tributação de mais-valias obtidas pelo grupo ENI com esta transacção.

A exploração de gás natural em alto mar na Área 4 da bacia do Rovuma está entregue a um consórcio formado pela ENI East Africa com 70% e pelos grupos português Galp Energia e sul-coreano Kogas e pela Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique, com 10% cada. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH