Produtos de Moçambique com acesso livre ao mercado da União Europeia

9 October 2017

Os produtos originais de Moçambique vão passar a ter acesso ao mercado da União Europeia sem a imposição de quotas ou o pagamento de direitos aduaneiros, disse o director nacional de Comércio Externo, Amílcar Arone, no decurso de um seminário realizado em Maputo.

Amílcar Arone usava da palavra no decurso do seminário de divulgação do Acordo de Parceria Económica entre a Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral EU-SADC (APE), quando se discutia o tema “Oportunidades para Moçambique”, de acordo com o jornal Notícias, de Maputo.

“O acordo tem como objectivo a promoção do crescimento económico, através do estabelecimento de uma zona de comércio livre, que irá permitir que Moçambique possa aceder ao mercado europeu de forma preferencial”, disse o director nacional de Comércio Externo.

Disse ainda que a União Europeia concorda com a remoção de taxas aduaneiras relativamente a uma gama ampla de produtos e mostra-se aberta aos produtos originais de Moçambique, o que irá permitir que os exportadores nacionais tenham a oportunidade de melhorar a sua competitividade naquele mercado.

A União Europeia é um parceiro comercial importante de Moçambique, sendo um dos principais destinos das exportações do país e o quarto maior importador, depois da China, África do Sul e Índia.

Moçambique exporta para a União Europeia essencialmente alumínio, produtos agrícolas como o açúcar, tabaco, nozes e legumes, bem como bens pesqueiros, com ênfase para o camarão e importa daquele bloco bens manufacturados, máquinas, meios de transporte e produtos químicos.

Embora a balança comercial de Moçambique apresente défice nos últimos anos, com a União Europeia manteve-se positiva, devido ao valor das exportações de alumínio para aquele mercado, de acordo com dados da delegação da UE em Maputo. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH