Governo de Angola nomeia comissão técnica para avaliar indústria têxtil

13 October 2017

Uma comissão técnica nomeada pelo governo de Angola vai avaliar a situação das três fábricas têxteis recuperadas e cujas concessões a empresas privadas foram revogadas, ao abrigo de um despacho conjunto dos ministros da Economia, Indústria e Finanças.

O despacho conjunto adianta que a comissão irá proceder a um diagnóstico das três unidades industriais recuperadas com um financiamento do Estado de 1200 milhões de dólares “a fim de assegurar o seu imediato aproveitamento produtivo no quadro das decisões tomadas pelo governo.”

A comissão técnica, que terá de preparar um relatório “com uma posição unânime e objectiva sobre as indústrias têxteis”, será coordenada por Vicente leitão, presidente da sociedade pública Recredit, integrando ainda a presidente do Instituto para o Sector Empresarial Público, Henda Inglês, e o director-geral do Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola (IDIA), Dário Camati.

A revogação das concessões foi alvo de três despachos assinados pela ministra da Indústria, Bernarda Martins, com o argumento de que o Instituto de Desenvolvimento Industrial de Angola “carece de competência” para atribuir os direitos de superfície às empresas privadas, ao abrigo da Lei de Terras de 2004 e respectivo regulamento.

Um termo de entrega e promessa de concessão de direitos de superfície, assinado em Setembro 2013, entregava uma parcela de 90 mil metros quadrados no Cuanza Norte à Sociedade Mahinajethu, de 167 mil metros quadrados, em Benguela, à Alassola, e de 140 mil metros quadrados no Cazenga, em Luanda, à Nova Textang II.

Das três unidades fabris, a Nova Textang II iniciou, em Fevereiro, a produção e comercialização de tecido, tendo a África Têxtil começado recentemente a exportação de fio de algodão, com o envio para Portugal de 15 contentores contendo 156 toneladas de produto. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH