Economia de Macau terá evolução positiva em 2018

15 November 2017

A economia de Macau deverá registar uma evolução positiva em 2018, de acordo com as Linhas de Acção Governativa (LAG) terça-feira apresentadas pelo Chefe do Executivo, Chui Sai On, que apresentam “um optimismo cauteloso no que se refere ao desenvolvimento económico de Macau.“

O relatório das LAG menciona cinco prioridades na área da economia, uma das quais é a “consolidação das bases do sector dominante e construção de uma cidade com condições para turismo e lazer”, onde se pretende concretizar, de forma constante, a estratégia de desenvolvimento que fomenta a fusão das indústrias com as novas tecnologias, incentivando as indústrias tradicionais a injectarem uma nova vitalidade, de modo a encorajar as indústrias emergentes.

Relativamente ao sector do jogo, o governo quer incentivar as operadoras do jogo a explorarem os negócios não ligados ao jogo e a promoverem a interactividade entre si, as pequenas e médias empresas locais, os estabelecimentos antigos com características singulares e as empresas dos sectores cultural e criativo, entre outros.

Chui Sai On disse após a apresentação do documento que o governo prevê que as receitas brutas do jogo atinjam 230 mil milhões de patacas (28,75 mil milhões de dólares) em 2018.

O valor mencionado deverá ser atingido, atendendo a que a receita bruta acumulada entre Janeiro e Outubro do ano em curso ascendeu a 220 010 milhões de patacas (27 501 milhões de dólares).

Em relação ao turismo, serão executados os objectivos definidos no Plano Quinquenal de Desenvolvimento e no Plano Geral do Desenvolvimento da Indústria do Turismo de Macau, procurando incentivar a criação de mais instalações adequadas ao turismo familiar, e impulsionar a construção de hotéis de classificação inferior, de parques temáticos, de centros comerciais integrados, entre outras instalações.

O governo pretende ainda “promover o crescimento das indústrias emergentes e fomentar a diversificação adequada da economia” no apoio contínuo ao sector das convenções e exposições, inovando os métodos para o seu desenvolvimento, duplicando esforços na promoção das indústrias culturais e criativas e no reforço do intercâmbio e da cooperação regional.

As LAG contêm ainda a afirmação de que o executivo pretende desenvolver o sector financeiro com características próprias de Macau, privilegiando as actividades de locação financeira e de gestão de fortunas.

“Será ainda fortalecida a construção de infra-estruturas financeiras e aproveitado o estabelecimento em Macau da sede do Fundo de Cooperação e Desenvolvimento China-Países de Língua Portuguesa, onde serão fornecidos serviços financeiros em prol da construção da iniciativa Uma Faixa, Uma Rota”, pode ler-se no documento.  (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH