Companhia de Bioenergia de Angola produz 63 mil toneladas de açúcar

22 November 2017

A Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) prevê produzir este ano um valor recorde de 63 mil toneladas de açúcar, com a terceira colheita a ficar concluída esta semana, disse o director de produção, Fernando Guerra.

O director de produção adiantou que a extracção industrial da cana-de-açúcar “está mesmo acima da média registada no Brasil” e que a produção de açúcar mantém a tendência para o crescimento, fazendo parte dos planos da empresa assegurar, em 2021, “boa parte da procura do país.”

O mercado angolano consome actualmente cerca de 300 mil toneladas por ano, pretendendo a Companhia de Bioenergia de Angola estar a produzir naquela data cerca de 256 mil toneladas de açúcar, de acordo com o Jornal de Angola.

A Biocom investiu 12 milhões de dólares na campanha prestes a terminar na compra de novos equipamentos, nomeadamente tractores agrícolas, equipamentos para a produção de biomassa, bem como de auxílio à preparação do solo e do plantio.

Instalada no município de Cacuso, a 75 quilómetros da cidade de Malanje, a Biocom é um dos maiores projectos agro-industriais angolanos, liderada pelo grupo brasileiro Odebrecht, que detém 40% do capital da sociedade, sendo os restantes 60% partilhados entre o grupo angolano de capitais privados, com 40% e a estatal Sociedade Nacional de Combustíveis de Angola (Sonangol) com 20%.

A Biocom é o único projecto do género em Angola e, além do açúcar, produz etanol e gera electricidade que coloca na rede pública, tendo na primeira campanha, de 2015/2016, produzido 24 770 toneladas de açúcar, 10 243 metros cúbicos de etanol e 42 mil megawatts hora de energia eléctrica. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH