Governo de Moçambique vende em bolsa 7,5% do capital da Hidroeléctrica de Cahora Bassa

28 November 2017

O governo de Moçambique vai vender 7,5% das acções representativas do capital social da Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), uma operação que pretende facilitar a entrada de novos accionistas e que é reservada a nacionais, que tanto podem ser cidadãos singulares como empresas ou instituições, anunciou na vila do Songo o Presidente Filipe Nyusi.

O Presidente, ao usar da palavra na cerimónia que assinalou o décimo aniversário do acordo assinado entre Portugal e Moçambique que sancionou a alteração da estrutura accionista do empreendimento, disse que a abertura do capital da empresa, a ser efectuada através da Bolsa de Valores de Moçambique, vai permitir a entrada de novos accionistas nacionais.

Ao abrigo do acordo assinado em finais de 2006 pelo primeiro-ministro português José Sócrates e pelo Presidente moçambicano Armando Guebuza, Moçambique teria de pagar 950 milhões de dólares por uma participação de 67% no capital da HCB, posto o que o Estado moçambicano passaria a deter 85%, contra os anteriores 18% e Portugal manteria 15%, contra os anteriores 82%.

Mais tarde, a participação de 15% detida pelo Estado português foi dividida em duas metades de 7,5% cada, ficando uma delas na possa da empresa portuguesa Redes Energéticas Nacionais (REN) e outra sido adquirida pela estatal moçambicana Electricidade de Moçambique, tendo o Tesouro português encaixado com esse negócio a quantia de 76,9 milhões de euros.

Filipe Nyusi anunciou ainda que Moçambique já pagou, na totalidade, a dívida decorrente do acordo de alteração da estrutura accionista da Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), 18 meses antes da data prevista para a última prestação. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH