Negociações com credores travam pagamento da dívida, PM de Moçambique

30 November 2017

O primeiro-ministro de Moçambique garantiu que a proposta do Orçamento do Estado para 2018, submetida à Assembleia da República, não inclui o serviço da dívida pública, por esta continuar em processo de negociação com os credores internacionais, ao falar durante uma sessão de perguntas das bancadas parlamentares ao governo.

Carlos Agostinho do Rosário, citado pelo matutino Notícias, de Maputo, adiantou ter sido esse processo de negociação que fez com que o governo tenha decidido suspender o pagamento das prestações da dívida.

“O governo continua a negociar com os credores internacionais a fim de garantir que o serviço da dívida não prejudique a execução do programa quinquenal”, adiantou o primeiro-ministro, para acrescentar que enquanto durarem as negociações com os credores e a evolução do assunto na Procuradoria-Geral da República o governo não pagará qualquer prestação.

A dívida em questão, no montante de dois mil milhões de dólares, é o resultado de três empréstimos contraídos por três empresas públicas – Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), Mozambique Assets Management (MAM) e Prodindicus – que beneficiaram do aval do Estado.

Os empréstimos foram montados e colocados junto de investidores pelos bancos Credit Suisse e VTB da Rússia, dois deles em 2013 e 2014, no decurso do mandato do anterior Presidente Armando Guebuza. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH