Governo de Angola analisa encerramento do Consulado-Geral em Macau

O consulado-geral de Angola em Macau é uma das 25 representações diplomáticas do país que poderão vir a encerrar, caso de nove embaixadas e 16 consulados, além de 10 representações comerciais, de acordo com uma proposta de racionalização formulada pela Secretaria para os Assuntos Diplomáticos e de Cooperação internacional da Presidência da República.

A proposta, assinada pelo secretário para os Assuntos Diplomáticos da Presidência da República, Victor Lima, e entregue ao ministro das Relações Exteriores, Manuel Domingos Augusto, estipula que os consulados a serem extintos serão transformados em sectores consulares junto das missões diplomáticas existentes nos países onde funcionam.

O mesmo acontecerá com os representantes comerciais que, se for caso disso, serão integrados nas missões diplomáticas dos países onde desempenham funções com a categoria de adidos comerciais ou adidos económicos.

O documento propões, em concreto, o encerramento das embaixadas em Singapura e Indonésia, Vietname, Países Baixos, México, Canadá, Grécia, Hungria, Polónia e Guiné-Conacri, o que implicará uma poupança superior a 18,5 milhões de dólares, tendo como referência de cálculo o mapa de orçamento adstrito às missões diplomáticas elaborado pelo Ministério das Finanças.

A proposta defende o encerramento e a sua consequente transformação em sectores consulares junto das respectivas missões diplomáticas dos consulados gerais de Londres (Grã-Bretanha), Cantão (China), Dubai, Nova Iorque (Estados Unidos), Roterdão (Países Baixos), Hong Kong, Paris (França), Los Angeles (Califórnia, Estados Unidos), Houston (Estados Unidos), Lisboa e Faro (Portugal), Venezuela, São Paulo (Brasil), Macau/China, Frankfurt (Alemanha), Toulouse (França), Cidade do Cabo (África do Sul) e Joanesburgo (África do Sul).

O encerramento destas representações diplomáticas permitirá ao Estado angolano poupar mais de 41,5 milhões de dólares.

A proposta, que visa a “concentração de meios e racionalização de custos”, contempla também o encerramento das representações comerciais angolanas em Itália, China, Brasil, Espanha, Portugal, Estados Unidos, África do Sul, Bélgica, Macau e Suíça, devendo os representantes comerciais ser integrados nas missões diplomáticas existentes nestes países e territórios, donde resultará uma poupança para os cofres públicos de perto de 6,2 milhões de dólares.

A cônsul-geral de Angola em Macau, Sofia Pegado da Silva, afirmou ao jornal Ponto Final não ter sido ainda contactada pela tutela relativamente ao possível encerramento do consulado, que foi inaugurado em Novembro de 2007. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH