Grupo chinês Fosun analisa activos brasileiros para eventual aquisição

28 March 2018

O grupo chinês Fosun está a analisar a eventual aquisição de activos brasileiros nos sectores de saúde, entretenimento e financeiro, neste último caso sobretudo na área de risco empresarial, escreveu o jornal O Estado de São Paulo na sua edição de terça-feira.

Depois de recordar que o grupo chinês investiu 440 milhões de reais num edifício de escritórios em São Paulo, a Torre Sucupira e comprou participações na Rio Bravo Investimentos e na Guide Investimentos, o jornal adiantou que a Fosun pretende adquirir a actividade seguradora do Grupo Austral, sendo a ideia separar a parte de seguros dos resseguros e ficar apenas com a primeira.

O grupo chinês terá igualmente analisado activos como a Notredame Intermédica (operadora de planos de saúde e proprietária de 18 hospitais), o Complexo Hospitalar Aliança, da Bahia, e empresas no sector da construção civil.

O português Diogo Castro e Silva, director da Fosun no Brasil, disse ao O Estado de São Paulo que o processo de investimento é muito selectivo, havendo um orçamento global e o “país que tem melhor activo ganha.”

Castro e Silva dirige a subsidiária desde que o grupo chinês efectuou a primeira aquisição no Brasil – a da Rio Bravo Investimentos – anunciada em Julho de 2016, tendo esta compra ajudado o grupo chinês a ganhar credibilidade no país devido ao facto de a empresa ter nos seus quadros Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central do Brasil.

Em Portugal, o grupo Fosun é o principal accionista do Banco Comercial Português e detém 84,98% da companhia de seguros Fidelidade, que por sua vez tem uma participação de 96,12% na Luz Saúde, um dos maiores grupos do sector no país. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH