Crescimento económico de Angola revisto em alta pelo FMI

A economia de Angola deverá registar um crescimento de 2,2% este ano e de 2,4% em 2019, valores que representam revisões em alta de 0,6 pontos percentuais e de um ponto percentual relativamente às previsões nas Previsões Económicas Mundiais divulgadas em Outubro de 2017, anunciou o Fundo Monetário Internacional terça-feira em Washington.

O FMI, que esta semana realiza os Encontros da Primavera, adianta no relatório que a revisão em alta das taxas de crescimento real tem por base a subida dos preços do petróleo, “que aumentam o rendimento disponível e melhoram o sentimento económico.”

Angola, cuja economia teve um crescimento económico real de 0,7% em 2017, deverá registar em 2023, de acordo com as previsões do FMI, um crescimento igualmente real de 4,0%.

Moçambique, por seu turno, deverá ter um menor crescimento económico este ano e em 2019, com taxas reais de 3,0% e 2,5%, respectivamente, antes de acelerar para 9,9% em 2023, partindo-se do princípio que os projectos de exploração de gás natural estejam já a gerar receitas significativas.

A estimativa para o crescimento da economia moçambicana representa uma revisão em baixa face aos 5,3% que o FMI esperava, em Outubro do ano passado, que Moçambique crescesse este ano, bem como em 20023, em que há uma redução de 14% para 9,9%.

A economia de Cabo Verde deverá registar uma taxa de crescimento basicamente constante nos três anos em análise – 4,3% este ano e 4,0% em 2019 e 2023.

O crescimento económico em São Tomé e Príncipe e na Guiné-Bissau deverá oscilar, de acordo com as Previsões Económicas Mundiais da Primavera, entre 5,0% e 5,5%. (Macauhub, foto de Paulo Franco )

MACAUHUB FRENCH