Angola deverá ter novo satélite em órbita em 2020

24 April 2018

O consórcio russo responsável pela construção e lançamento do primeiro satélite de Angola, oficialmente dado como perdido, vai construir o Angosat-2 sem custos para o erário público angolano, estando a sua colocação em órbita prevista para 2020, anunciou segunda-feira em Luanda o ministro angolano das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação.

José Carvalho da Rocha, ao intervir num encontro com a imprensa com a presença de responsáveis da RSC Energia, a construtora do satélite, disse que enquanto o Angosat-2 não estiver operacional Angola vai, ao abrigo das condições estabelecidas no contracto, receber largura de banda em outro satélite “sem custos.”

O Angosat-1 foi colocado em órbita a 26 de Dezembro de 2017, a partir do cosmódromo Baikonur, no Casaquistão, a entrada em operações comerciais deveria ter tido início em Abril corrente, mas o ministro salientou que desde o lançamento foram “detectadas perturbações no seu funcionamento, tendo falhado a comunicação com a estação terrestre.”

Igor Frolov, da RSC Energia, disse que face à impossibilidade de estabelecer comunicação foi decidido suspender as operações, a fim de não colocar em risco os outros satélites que estão em órbita.”

O responsável respondia a questões colocadas após a assinatura de uma adenda ao contracto de construção do satélite angolano (de 2005) com o consórcio russo formado pela S.P. Korolev e SC Energia, na presença de representantes do governo de Moscovo e da agência espacial da Rússia, a Roscosmos.

Igor Frolov acrescentou que os trabalhos para tentar recuperar o AngoSat-1 vão continuar até 15 de Maio. (Macauhub)

MACAUHUB FRENCH